Draft 2015 linha defensiva

Draft 2015 vem gerando bons frutos aos Patriots

Dois anos passados, chegou a hora de relembrarmos como está a situação de cada escolha dos Patriots no Draft 2015.

Draft 2015 vem gerando bons frutos aos Patriots

Antes de falarmos especificamente dos selecionados, vamos ilustrar como era o cenário de New England para o recrutamento.

Após vencer o Super Bowl XLIX, os Pats sofreram perdas na free agency, sendo a mais impactante delas o CB Darrelle Revis, fundamental para a conquista do quarto anel. Somada a saída de Revis, juntou-se também as dos CBs Brandon Browner e Kyle Arrington. Portanto, cornerback era a principal necessidade do time de Foxborough.

Remando ao lado da urgência na posição da secundária, também estava a de defensive tackle. O ídolo dos Pats, Vince Wilfork, não teve seu contrato renovado e foi para o Houston Texans.

Abaixo, confira o todas as escolhas de New England no Draft 2015. Logo após, veja quem continua e quem já saiu do time.

1st Round (#32) – Malcom Brown (DL, Texas)
2nd Round (#64) – Jordan Richards (DB, Stanford)
3rd Round (#97) – Geneo Grissom (DE, Oklahoma)
4th Round (#101)– Trey Flowers (DE, Arkansas)
4th Round (#111) – Tre’ Jackson (OL, Florida State)
4th Round (#131) – Shaq Mason (OL, Georgia Tech)
5th Round (#166 – Joe Cardona (LS, Navy)
6th Round (#177) – Matthew Wells (LB, Miss State)
6th Round (#202) – AJ Derby (Arkansas)
7th Round (#247) – Darryl Roberts (CB, Marshall)
7th Round (#253) – Xzavier Dickson (LB, Alabama)

Quem continua

DT Malcom Brown

Projetado para sair no top 15, Malcom Brown caiu de bandeja no colo dos Patriots, que desistiram de um trade down quando o viram disponível no board.

O defensive tackle chegou ao time com o peso de suprir a saída do ídolo Vince Wilfork. Brown teve boas atuações em 2015, principalmente, na segunda metade do ano, recebendo elogios. O jogador foi titular durante toda temporada, formando dupla com Alan Branch.

Entrando em seu segundo ano, muitos imaginavam que Malcom virasse o principal DT de New England. Contudo, não foi isso que ocorreu. Apesar de sólido, o atleta não aparentou estar totalmente pronto para ser o titular absoluto.

Um caso que chamou atenção durante a última temporada, foi Brown ter ido para a “casa do cachorro”. Ele acabou chegando atrasado para uma reunião. Belichick não perdoou.

Todavia, isso pareceu mais um deslize de Brown do que um problema que acenda o sinal de alerta. Indo para sua terceira temporada, Malcom ainda não atingiu todo seu potencial, mas vem dando flashes de que isso não está longe.

Avaliação da escolha após dois anos: Boa

S Jordan Richards

Com a necessidade de um DT preenchida, a que continuou foi a de cornerback. A secundária acabou sendo reforçada, porém, não na posição que todos esperavam.

Jordan Richards, projetado para sair apenas nos últimos rounds, foi selecionado por New England para surpresa de todos. O produto de Stanford logo foi nomeado como reach.

Nos dois primeiros anos de carreira na NFL, Richards pôs jus ao termo. O safety não fez praticamente nada com a camisa dos Pats. O jogador ficou inativo durante boa parte da temporada passada.

Para 2017, o atleta entrará com a corda no pescoço. Caso não atue bem, terá boas chances de ser cortado antes que seu contrato de calouro termine. Não seria surpresa caso Jordan seja dispensado nesta atual offseason.

Avaliação da escolha após dois anos: Péssima

DE Geneo Grissom

Terceira escolha dos Patriots no Draft 2015, Geneo Grissom chegou para melhorar o depth chart dos defensive ends, que contava com Chandler Jones, Rob Ninkovich e Jabaal Sheard.

Contudo, após dois anos, pode-se afirmar que sua escolha não melhorou o nível do setor. O atleta é mais utilizado como special teamer.

Grissom até chegou a ser dispensado nos cortes finais da última temporada. Ele acabou voltando para o practice squad, e depois subiu para o elenco principal no decorrer do ano.

Para a próxima temporada, Grissom não tem vaga garantida, e precisará mostrar o que ainda não mostrou para permanecer no time.

Avaliação da escolha após dois anos: Ruim

DE Trey Flowers

Além de Geneo Grissom, Bill Belichick também resolveu trazer outro defensive end via Draft. Só que dessa vez, a escolha gerou frutos.

Trey Flowers, da Universidade de Arkansas, mostrou ter “algo a mais” mesmo antes da temporada de calouro começar. O jogador foi destaque no training camp e preseason. Todavia, uma lesão no fim da pré-temporada afastou ele dos gramados por, praticamente, todo 2015.

Em 2016, com as más atuações dos DEs, Flowers recebeu uma oportunidade e agarrou com força, não largando mais a titularidade até levantar o Lombardi Trophy. Mais do quê isso, Trey revigorou o pass rush de New England.

Explosivo, o jogador tem tudo para brilhar em 2017 e se firmar de vez como um dos melhores defensores dos Pats e, quem sabe, um dos principais sackadores da NFL.

Avaliação da escolha após dois anos: Ótima

OG Tre’ Jackson

Com a saída do guard titular Dan Connolly, New England se movimentou no Draft 2015 para trazer sua reposição.

O primeiro da posição selecionado foi Tre’ Jackson, vindo da Universidade de Florida State. Sendo, previamente, mais completo que seus concorrentes, Jackson largou na frente e assumiu a titularidade pro início da temporada.

Contudo, o guard acabou se lesionando, e ficando de fora do resto de 2015 e de todo 2016. Com o pouco que mostrou, ainda não dá para avaliar por completo Tre’. Além do mais, o jogador ainda não foi treinado por Dante Scarnecchia.

Para 2017, esperamos que ele consiga se manter saudável. A partir daí, veremos o que poderá produzir. A princípio, pode ser um reserva interessante para a dupla titular de guards.

Avaliação da escolha após dois anos: Inconclusiva

OG Shaq Mason

Logo após a escolha de Jackson, os Patriots trouxeram mais um jogador de linha ofensiva. Shaq Mason chegou ao time com a característica de ser um ótimo run blocker.

E foi isso que se viu logo na pré-temporada, com o guard mostrando sua qualidade no quesito, ao abrir espaço para um touchdown longo de Dion Lewis.

Todavia, nem tudo correu bem para Mason. Ele mostrou ter uma deficiência na proteção ao passe. Por isso, acabou não tendo as mesmas oportunidades que seus companheiros no seu ano de calouro.

Já em 2016, o atleta evoluiu bastante na proteção ao passe e manteve o alto desempenho como run blocker. Isso fez Mason ser titular absoluto dos Patriots durante todo o ano.

Desenvolvendo-se cada vez mais, Shaq tem tudo para ser o guard starter dos Pats por um bom tempo.

Avaliação da escolha após dois anos: Ótima

LS Joe Cardona

Como previsto por muitos analistas, os Patriots draftaram o long snapper Joe Cardona, da Universidade de Navy.

Conhecido pelos “foguetes” que soltava no snap, Cardona foi selecionado numa escolha alta para sua posição, tendo em vista que LSs costumam entrar na liga como free agents não draftados.

Sempre eficiente, Joe é uma segurança para os Pats, e tende a permanecer no time por muito tempo, já que Belichick preza demais pelos special teams.

Avaliação da escolha após dois anos: Boa

Quem saiu

LB Matthews Wells

Seleção de sexto round, o linebacker Matthew Wells chegou para brigar por uma vaga no elenco final. O atleta, para o espanto de muitos, é cego de um olho.

Com concorrências fortíssimas como Dont’a Hightower, Jerod Mayo e Jamie Collins, Wells ficou muito para trás na briga.

Ele acabou não conseguindo sobreviver aos cortes para reduzir o elenco a 53 jogadores, sendo dispensado.

Após passagens pelos Bears, Rams e Falcons, hoje Wells se encontra no Hamilton Tiger-Cats, da CFL.

TE A.J. Derby

Mesmo após a chegada de Scott Chandler na free agency, os Pats foram buscar no Draft 2015 mais um tight end para equipe.

Na sua primeira temporada em New England, A.J. Derby foi posto na Injury Reserve, após ter se lesionado.

Em seu segundo e último ano, Derby foi destaque no training camp e pré-temporada, mas não conseguiu repetir o sucesso na temporada regular.

No meio do ano, o TE foi trocado para o Denver Broncos, e os Pats receberam uma escolha de quinta rodada para o Draft 2017.

CB Darryl Roberts

A principal necessidades dos Patriots só acabou sendo selecionada na última rodada. Mesmo considerado um steal, Darryl Roberts não passava confiança de que seria uma solução para os CBs.

O jogador até chegou a atuar bem nos primeiros jogos da pré-temporada, mas acabou lesionando a mão e ficando de fora de todo o ano.

Em 2016, Roberts fez uma briga acirrada pela última vaga de corners, porém, acabou perdendo para Jonathan Jones, ficando de fora do elenco final.

Atualmente, Roberts atua pelo New York Jets.

LB Xzavier Dickson

A última escolha dos Pats no Draft 2015 foi de mais um jogador de front-seven.

Xzavier Dickson, cria da Universidade de Alabama, nem chegou a atuar por New England. O LB treinou durante boa parte da offseason com a camisa vermelha que proíbe contato.

Sendo assim, logo foi dispensado. Hoje, ele está sem time. Após a passagem por New England, Dickson chegou a atuar pelo Atlanta Falcons e na CFL.

2 thoughts on “Draft 2015 vem gerando bons frutos aos Patriots

  1. Que matéria fabulosa Arthur parabéns, ótimo trabalho, Obrigado por nos passar essas valiosas informações sobre a nossa franquia de coração.

Deixe uma resposta