brady e belichick super bowl

As metas de New England para a offseason 2017

A offseason da NFL é a mais longa dentre todos os esportes americanos. Portanto, muita coisa ocorre nela. Saiba quais são as metas de New England para chegar ainda mais forte para a temporada 2017.

As metas de New England para a offseason 2017

Renovar com o LB Dont’a Hightower

Essa é a grande prioridade dos Patriots para a offseason. Capitão do time, Hightower é o melhor jogador do front-seven de New England. Sem ele, possivelmente, não teríamos vencido os Super Bowls XLIX e LI, já que foi decisivo em ambas ocasiões.

Seu valor de mercado é alto, pois é um dos melhores ILB da NFL e vem de uma conquista de Super Bowl. Com isso, Belichick terá que abrir o bolso para manter sua escolha de primeiro round de 2012.

Os Pats terão um dos maiores espaços livres no salary cap da liga, então, poderão pagar Hightower. Duas opções são a franchise e a transition tag, que girarão entorno de $14 milhões e $11 milhões, respectivamente.

Sua saída seria um prejuízo enorme para New England, que iria perder uma estrela e ficaria com uma necessidade gigante na posição de linebacker. Portanto, renovar com Dont’a é a grande meta dos Pats para a offseason.

Firmar um contrato longo com Malcolm Butler

Cornerback elite, Butler é free agent restrito e ainda não está garantido para a temporada 2017. Com espaço no salary cap, o mais certo seria os Patriots firmarem logo um contrato duradouro de 4-5 anos com ele.

Como é restrito, New England poderá colocar uma tender offer de primeiro round que girará em torno de $4 milhões e ter a chance de garanti-lo por esse preço na temporada 2017.

Contudo, com a tender offer, outro time poderá tirar Malcolm dos Pats, dando a escolha dele de first round. Portanto, com caixa disponível, é melhor não arriscar e renovar de uma vez com nosso herói.

Resolver a questão Jimmy Garoppolo

A princípio, três times já deixaram mais evidente seus interesses em propôr uma troca pelo backup de Tom Brady.

Jimmy G será free agent ao fim de 2017. Como Brady tem contrato até 2019 com os Patriots e já trabalha num novo acordo, é muito difícil que Garoppolo queira esperar todo esse tempo para virar titular, o que seria a melhor opção possível.

Como, provavelmente, New England vai perdê-lo na free agency de 2018, por que não trocá-lo agora? Essa será uma das maiores decisões da offseason. Ainda não há indícios do que os Pats farão.

O futuro de Jimmy Garoppolo é em New England?
O futuro de Jimmy Garoppolo é em New England?

Priorizar os nossos free agents

No período de agência livre, não só atletas saem do time, mas como também chegam. Em 2017, a principal meta de New England será manter seus free agents chaves, que são:

DL Alan Branch: principal jogador de linha defensiva dos Patriots em 2016, Branch é um dos jogadores mais subestimados do elenco. Vital contra o jogo corrido, Alan é chave na defesa dos Pats. Com 32 anos e bicampeão do Super Bowl, Branch terá que decidir o que é melhor para ele agora: um contrato que dê mais estabilidade financeira ou brigar por mais um anel. Dificilmente, encontrará ambas opções em Foxborough. Pats deverão oferecer algo em torno de 2 anos/$11 milhões.

DE Chris Long: em seu primeiro ano com os Pats, Long ficou encantado. Pela primeira vez na carreira, teve uma campanha positiva e chegou aos playoffs. Foi muito importante no Super Bowl, forçando aquele holding no fim do 4° quarto. Com já milhões acumulados na carreira, Chris tem altas chances de continuar em New England.

CB Logan Ryan: jogador de altos e baixos, Logan Ryan foi do pesadelo ao céu ao longo da temporada, fechando ela jogando o melhor do seu football. Jovem, resistente e atlético, Ryan tem todos os quesitos para receber uma bolada na offseason. Será difícil para os Patriots mantê-lo.

SS Duron Harmon: com um perfil semelhante ao de Ryan, Harmon será outro atleta difícil de manter. Não seria surpresa se Belichick fizesse um esforço maior para renovar com ele do quê com Blount, por exemplo. O chamado 12° homem da defesa de New England foi muito importante para o sistema de Matt Patricia.

*Falaremos de Blount e Bennett adiante

Conseguir um paycut em Amendola

Como já falamos em um artigo, Dola não deverá continuar nos Patriots caso não diminua seu salário.

Sua presença em mais uma temporada seria de muito agrado, tanto para o elenco como para os jogadores, já que ele é muito querido.

“Clutch”, poder contar com Danny por um valor mais condizente seria ótimo.

Manter a qualidade do depth de TE

Outro assunto que já falamos sobre. Martellus Bennett será free agent, então, não está garantido para 2017.

Seja ele (de preferência) ou outra peça, precisaremos ter um bom reserva para Rob Gronkowski, que vem sofrendo com muitas lesões.

Bennett já rejeitou uma proposta de $7 milhões por ano antes da temporada começar. E, segundo Ian Rapoport, da NFL Network, será difícil os Patriots segurarem ele. Portanto, caso a sua saída se concretize, trazer outro tight end será uma necessidade.

Trazer um combustível a mais para o backfield

LeGarrette Blount, mesmo após anotar 18 touchdowns corridos em 2016, ainda não tem respaldo unânime para voltar. O free agent teve uma queda notória no fim do ano, quando a linha ofensiva sofreu uma recaída.

Com James White sendo essencialmente para passes e Dion Lewis também sendo preterido pro jogo aéreo, ainda não está definido quem será o RB #1 dos Pats.

Caso Blount aceite um contrato semelhante ao do ano passado, deverá continuar. Mas, mesmo assim, não exclui a possibilidade de um novo RB pintar em New England.

Rejuvenescer a linha defensiva

Essa última meta é mais focada para o Draft. Malcom Brown e Trey Flowers são o futuro da DL dos Pats, porém, precisam ser complementados com mais dois jogadores.

Ninkovich, possivelmente, deverá ter como 2017 a sua última temporada nos Pats. Chris Long e Alan Branch, caso voltem, precisarão de uma boa rotação para evitar lesões. Assim como Ninko, ambos já tem mais de 30 anos.

Portanto, draftar jogadores de linha é uma necessidade para os Patriots em 2017.

Deixe uma resposta