Pior jogo do ataque no ano pesa na derrota para os Dolphins

Dolphins

No Monday Night Football da semana 14, os Patriots foram até Miami enfrentar os Dolphins.

A sina de sofrer jogando em Miami não pôde ser evitada, e no pior jogo do ano no geral, os Patriots foram derrotados com justiça por 27 x 20.

Confira nossa análise da partida.

Pior jogo do ataque no ano pesa na derrota para os Dolphins

Ataque

Não há outra forma de se colocar: o jogo contra os Dolphins foi a pior performance ofensiva dos Pats em 2017, de longe.

Dificilmente alguém esperava tamanha ineficiência do ataque, considerando que apenas duas semanas atrás os Patriots anotaram 35 pontos contra os rivais de Miami.

Ninguém duvidava que a ausência de Rob Gronkowski, suspenso, seria sentida. O que não se esperava era que nenhuma outra peça do ataque conseguisse produzir em um nível satisfatório.

Começando por Tom Brady, que fez teve de longe sua pior atuação no ano (a pior em um bom tempo).

O quarterback dos Patriots em nenhum momento se sentiu confortável no pocket e desde o início do jogo abusou de lançamentos ruins, dois deles culminando em interceptações.

A responsabilidade da má atuação, entretanto, não recai apenas sobre Brady. Os wide receivers dos Patriots, com exceção de Danny Amendola (que foi razoável), foram praticamente invisíveis.

Brandin Cooks e Chris Hogan tiveram apenas uma recepção cada. Inaceitável.

No tocante aos running backs, Dion Lewis e Rex Burkhead ainda tentaram, mas nenhum ataque pode sobreviver dependendo apenas de seus backs.

Se no jogo aéreo os running backs ainda conseguiram alguma produção, foram inofensivos no jogo terrestre, totalizando apenas 25 jardas corridas.

Também contribuindo para essa tragédia esteve a linha ofensiva.

Nate Solder regrediu após uma sequência de bons jogos.

O pior, no entanto, esteve no interior da linha, onde David Andrews e principalmente Joe Thuney fizeram uma péssima partida. Brady foi constantemente pressionado pelo interior da linha.

Por fim, e não menos culpado, o coordenador ofensivo Josh McDaniels.

Todos sabemos da qualidade de Josh, que já está estabelecido como um dos melhores coordenadores da liga.

No entanto, na noite de segunda, tanto o plano de jogo quanto as jogadas chamadas foram um show de horrores.

É incompreensível a insistência em chamar jogadas de corridas em jogadas de 2ª pra 10 jardas, por exemplo. Ou chamar passes em profundidade em uma 3ª para 1.

Dolphins
Absolutamente nada funcionou como deveria no ataque dos Patriots. (Foto de Steve Mitchell/USA Today)

Defesa

O ataque foi horrível, mas não o único culpado pelo péssimo jogo de segunda. A defesa dos Patriots regrediu após uma sequência de semanas limitando com sucesso os ataques adversários.

Começando pelo front 7, que devastado por lesões não teve forças para parar o jogo corrido de Miami.

Quando olhamos para o corpo de linebackers do time e vemos Jonathan Freeny, Trevor Reilly e Marquis Flowers, entendemos por que a equipe sofre tanto para parar running backs tanto no jogo terrestre quanto no aéreo.

Elandon Roberts fez um jogo especialmente ruim, cedendo passes em todas as bolas lançadas em sua direção (3/3, 58 jardas).

Além de não parar corridas, em geral o front 7 dos Patriots não pressionou. Nem poderia.

Se com Trey Flowers e Deatrich Wise saudáveis o pass rush não é dos melhores, sem o primeiro e com o segundo claramente limitado, não era possível pressionar exceto com blitz de jogadores da secundária.

Por falar em secundária, o curioso é que os números não refletem com fidelidade a partida da unidade, principalmente de Malcolm Butler.

O cornerback cedeu apenas 41 jardas, mas foi constantemente batido em rotas em profundidade, além de ter cedido um touchdown.

Voltamos a ter problemas de comunicação. O caso mais claro foi o touchdown de Jarvis Landry, quando talvez o principal jogador dos Dolphins foi completamente esquecido na endzone pela secundária de New England.

Na unidade se destacaram apenas Patrick Chung e Devin McCourty, que cederam apenas 11 e 17 jardas, respectivamente.

Dolphins
Secundária dos Patriots cedeu poucas jardas, mas conversões e touchdowns importantes.

Destaques

Safeties: 28 jardas cedidas.

Danny Amendola: 6 recepções para 76 jardas.

RBs no jogo aéreo: Lewis e Burkhead combinaram para 95 jardas recebidas.

Dolphins
Danny Amendola foi o único wide receiver produtivo na derrota de segunda (Getty Images)

Os Patriots precisarão se recuperar muito rapidamente da péssima atuação em Miami, já que no próximo domingo viajam até Pittsburgh para enfrentar os Steelers no jogo mais esperado da AFC.

A partida é de importância inestimável. Se vencerem, os Patriots dependerão apenas de si para assegurar a melhor campanha da Conferência Americana.

Já em caso de derrota, os Steelers garantem a seed #1, e os Patriots passam a correr risco até mesmo de não conseguirem a bye na primeira rodada dos playoffs.

A má atuação contra os Dolphins não significa que tudo está perdido. Já vimos esse time se recuperar de jogos assim antes e voltarem a jogar em alto nível.

Traremos tudo sobre Patriots x Steelers no decorrer da semana.

Compartilhe esta matéria:

Share on facebook
Share on twitter

Este post tem 2 comentários

  1. Coincidência ou não, teve a discussão entre Josh McDaniels e Tom Brady na semana passada. Será que trouxe instabilidade temporária nos Pats?
    Algo para Belichick corrigir.

    1. Para mim foi coincidência, Fernando. Ambos possuem um ótimo relacionamento e Brady até chegou a pedir desculpas publicamente a Josh.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O Patriotas é um fã clube oficial no Brasil e reconhecido pelo New England Patriots nos Estados Unidos.

Site desenvolvido pela equipe Patriotas.