Rafael Belattini: É duro suportar, mas é um preço justo

Belattini

Resumir a derrota de domingo ao fumble de Cam Newton é cruel e impreciso.  O quarto revés consecutivo, algo que não acontecia desde 2002, começou muito mais cedo.

Antes mesmo da terceira para uma jarda com 12 segundos no relógio em que Belichick se contentou com o field goal. Ou então da terceira para 12 em que a chamada foi uma corrida pelo meio, resultando na perda de duas jardas. 

Trata-se do resultado de toda uma preparação em um ano que é também muito complicado. Ninguém perdeu tantos jogadores pelo opt-out como o New England Patriots, e a Covid-19 é apenas mais um fator num momento da temporada em que as lesões já costumam a castigar. 

Rafael Belattini: É duro suportar, mas é um preço justo

Os Patriots de hoje são fracos e dão – em diversos momentos – agonia de ver pela incapacidade de realizar aquilo que em outros anos era tão fácil de fazer. E mesmo assim caímos para o líder da divisão por um detalhe. 

Correr naquela terceira para 12, ou renunciar a uma última tentativa com tempo para isso no relógio, é uma mensagem clara na falta de confiança ao corpo ofensivo que estava disponível para domingo. 

Cam Newton, que nos empolgou tanto nas primeiras semanas, segue mostrando que sabe jogar. O problema é que a atuação dele mistura momentos exuberantes, com corridas e passes incríveis, e outros em que é perceptível a dificuldade e concentração necessária para fazer a bola sair com qualidade de suas mãos. 

A gente perde a paciência com o #1 – e acaba até exagerando nas postagens, eu reconheço – simplesmente porque dele se espera algo. Quando era Brian Hoyer under center, meu pedido era para termos um outro QB, mas com Newton a cobrança é para que ele faça algo. 

Já estou conformado que não iremos para os playoffs, e convenhamos que ir para a pós-temporada com esse time seria apenas um adiamento de uma semana das férias. O negócio é tentar curtir o passeio daqui até o fim do ano.

Nesta semana Bill Belichick explicou que o elenco é mais curto pois o time fez de tudo nos últimos anos e colheu bons frutos. Em cinco anos foram cinco finais da AFC, quatro viagens para o Super Bowl e três anéis. Nada mal, não? 

O head coach fez questão de esclarecer várias vezes que não se trata de uma desculpa, mas é realmente complicado chegar na free agency tendo pouco dinheiro como New England tinha.

E se esse ano horrível for o preço que temos a pagar pelo que vivemos nos últimos anos, bom, minha pergunta é apenas se aceita crédito ou débito, pois eu topo pagar de novo logo mais. 

*Vamos ao “Tank”*

Eu sei que neste momento já devemos ter muitos torcedores sonhando com uma desistência completa da temporada de olho em Trevor Lawrence. Sinto ser eu a dar essa notícia, mas não vai rolar. 

O motivo é simples: os Jets ficarão com a pick #1 do próximo draft e se entenderem que não precisam de um quarterback, confiando em Sam Darnold, vão negociar com qualquer outro time para evitar que NE leve o garoto. 


Rafael Belattini é jornalista com passagem pela ESPN e cobertura de dois Super Bowls. No Patriotas, Belattini escreve sua coluna semanalmente para falar sobre o seu time do coração, o New England Patriots. Siga Rafael Belattini no twitter.

Acompanhe o Patriotas no Instagram clicando aqui.

Compartilhe esta matéria:

Share on facebook
Share on twitter

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O Patriotas é um fã clube oficial no Brasil e reconhecido pelo New England Patriots nos Estados Unidos.

Site desenvolvido pela equipe Patriotas.