Rafael Belattini: Nem tudo é ruim na derrota

Tom Brady New England Patriots Fã Clube Patriotas Rafael Belattini Felipe Von Zuben Sidney Torres Arthur Cunha

Algumas pessoas gostam de viver em mundos em “preto ou branco” e isso facilita a tomada de algumas conclusões: se ganhou está tudo bem, se perdeu as coisas estão mal. Mas o mundo real é muito mais “cinza”.

Os Patriots perderam sua primeira partida na temporada, justamente naquele jogo que muitos apontavam como o verdadeiro primeiro desafio do time no ano. Contra o Baltimore Ravens, várias deficiências da equipe ficaram expostas.

Acontece que esses problemas já eram visíveis lá atrás, mas Baltimore soube explorar como nenhum outro. Mas, mesmo com o fim da invencibilidade, dá para sair com algumas boas impressões deste jogo. Vamos lá.

PONTO FRACO EXPOSTO?

Se algumas equipes mostraram como devem se comportar aqueles que querem vencer Patrick Mahomes, os Ravens deram boas dicas para bater o até então considerado imbatível New England Patriots.

Abusando do jogo corrigo, Lamar Jackson fez o relógio correr e conduziu a equipe campo abaixo para anotar quatro touchdowns em uma defesa que só havia levado o mesmo número nos oito jogos anteriores.

Novidade? Não exatamente. Como destacamos na semana passada, Nick Chubb tinha conquistado 131 jardas terrestres na derrota do Cleveland Browns em Foxboro, sendo a maioria após o primeiro contato.

Lembram-se do TD do Steven Sims, dos Redskins, lá na Semana 5? Os problemas com os tackles voltaram a aparecer e a pesada linha defensiva não foi capaz de segurar o ágil ataque dos Ravens.

No domingo foram 210 jardas corridas em 41 tentativas, uma média de 5,5 jardas por corrida. Ou seja, um 1st down a cada duas jogadas. Assim não vai funcionar.

ERROS ATÍPICOS E QUE CUSTARAM CARO

Logo na primeira campanha da partida os Patriots presentearam os anfitriões com quatro pontos. A defesa, mesmo sofrendo, tinha conseguido limitar os Ravens ao field goal, mas uma falta do time de especialistas gerou uma primeira descida e a chance para o touchdown.

Ao longo do jogo outras penalidades prolongaram campanhas dos Ravens, quase sempre colocando mais pontos no marcador do que deveriam.

E o que dizer do fumble de Julian Edelman, que basicamente encerrou as chances de New England? A campanha da volta do intervalo era muito boa e parecia certa a virada no placar, mudando totalmente a história do jogo.

Alguns questionam a decisão de chutar o FG na última campanha do primeiro tempo, mas a decisão era acertada, pois encurtava a distância no placar e não dava chance dos Ravens se animarem caso parassem o ataque na beira da endzone. E ainda podemos lamentar o tropeço do White.

BONS SINAIS VINDOS DO ATAQUE

Pois foi na derrota, com dois turnovers, que o ataque me agradou mais do que em outras semanas. Em que pese ainda uma certa ineficiência quando chega às últimas jardas do campo e alguns problemas no jogo corrido ainda.

Se o começo foi horrível e as coisas só começaram a melhorar graças ao erro de Cyrus Jones (quem diria, não?), o setor começou a pegar um certo ritmo e o no huddle foi bastante efetivo.

A linha ofensiva teve seus pontos baixos com Newhouse (de novo ele), mas Brady se comportou bem no pocket e o único intentional grounding do jogo considera até um pouco injusto, pois me pareceu mais uma falta de sintonia com o recebedor, que cortou para dentro e o passe foi para fora.

Sanu e Edelman terminaram com 10 recepções cada, com 81 jardas para o primeiro e 89 para o segundo, enquanto White conseguiu 46 jardas em duas recepções, um ótimo desempenho.

Com a volta de Wynn provavelmente na Semana 12 e Harry possivelmente na próxima partida, dá para ser otimista com o setor. Ah, e uma ajuda do jogo terrestre seria muito mais do que bem vinda.

É HORA DE APRENDER LIÇÕES

Os Ravens foram superiores no domingo, mas isso não significa que é momento para pânico. Muito pelo contrário. É nas derrotas que se aprendem as maiores lições e Bill Belichick sabe muito bem como usar isso a seu favor. Pensando que Baltimore pode cruzar nosso caminho novamente nos playoffs, consigo imaginar um jogo bem diferente na pós-temporada.

Uma temporada perfeita era improvável e a derrota vem justamente quando tem duas semanas para analisar o que deu de errado e encontrar as soluções não só para encarar os Eagles na Semana 11, mas para pensar nos playoffs.


Rafael Belattini

Rafael Belattini é jornalista com passagem pela ESPN e cobertura de dois Super Bowls. No Patriotas, Belattini escreve sua coluna semanalmente para falar sobre o seu time do coração, o New England Patriots. Siga Rafael Belattini no twitter.

Compartilhe esta matéria:

Share on facebook
Share on twitter

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O Patriotas é um fã clube oficial no Brasil e reconhecido pelo New England Patriots nos Estados Unidos.

Site desenvolvido pela equipe Patriotas.