Rafael Belattini: Recarregados, é a hora da verdade

adversários dos patriots

Acabou a folga, e já não era sem tempo!

E se me dissessem que foi Bill Belichick quem pediu para os Patriots ter dois dias a menos de descanso (jogou na segunda e joga no sábado), eu não duvidaria. 

Depois de 13 jogos o descanso é mais do que bem-vindo, é claro, mas não dá para relaxar demais com a sequência de jogos complicados e fundamentais que temos pela frente. É hora de focar para finalizar muito bem.

New England volta da Bye Week ainda na ponta da AFC, mas sem espaço nenhum para bobeira.

Neste sábado a parada será em Indianápolis, local que sempre foi tão pouco amistoso para nós. Como se a torcida local precisasse de motivos para torcer contra nós, eles ainda têm pelo que lutar e possuem um time bastante perigoso. 

Depois, na Semana 16, será hora de reencontrar um rival em crise, mas longe de estar morto. Aliás, não sei se repararam nisso, mas o duelo com os Bills pode ser o momento em que os Patriots poderão colocar um fim neste longo jejum de um ano sem o título da AFC Leste.

E nada de baixar a guarda depois, porque já vi tropeços contra times mais fracos do que estes Jaguars em Foxboro, e não preciso relembrar ninguém dos perigos de visitar Miami nesta época do ano, certo?

O que se passa na cabeça do camisa 10?

Meses atrás consideravam um absurdo os 49ers gastarem tanto numa pick que seria usada em você. Seu destino não foi a ensolarada São Francisco, mas sim Foxboro, que hoje vive dias tão cinzas quanto o agasalho do mais exigente treinador da NFL. 

Com o melhor desempenho entre os quarterbacks da primeira rodada, você tenta assimilar o quanto a sua vida mudou, aproveitar a boa fase (lembre-se, você sempre deve curtir os bons momentos), assimilar a pressão que vem por todos os lados por preencher a vaga que era de um dos maiores jogadores de todos os tempos, e, ao mesmo tempo, não deixar nada disso te afetar. 

Se Mac Jones era visto por muitos como um erro na época do draft, agora ele é apontado como aquele que pode ser o primeiro quarterback calouro a chegar em um Super Bowl. E as apostas são ainda de que esta decisão ainda será contra o “ex”.

Belichick e McDaniels têm papel fundamental para ajudar Jones a lidar com todo este peso, e sabemos que o camisa 10 está em boas mãos. 

Não é preciso procurar muito para ver como uma comissão técnica ruim pode atrapalhar a vida de um quarterback calouro. Em alguns casos, os danos dos primeiros anos são irreversíveis. 

Melhor treinador?

O colega Sidney Torres levantou o tema e eu não vou fugir do debate.

Kingsbury falou que o prêmio de melhor treinador deveria ser renomeado para elogiar Bill Belichick. Aquele ranzinza, logicamente, não gostou da ideia, mas ela não é ruim não. 

Belichick é o melhor técnico ano após ano, mas não leva sempre o prêmio porque ele simplesmente estabeleceu uma régua muito alta para ele mesmo. Por mais que seja o melhor num ano, não leva o prêmio por simplesmente estar fazendo “mais do mesmo”. 

Em 2021 a conversa é diferente. BB não tem que levar o prêmio por fazer um QB calouro conduzir um time, mas por transformar toda a equipe em uma unidade. 

Não há mega astros, recebedores espetaculares, defensores badalados. Os Patriots de hoje vencem como um time, e o responsável por tudo isso é o mesmo cara que faz muita gente considerar a possibilidade de cortar as mangas de agasalhos. 


Clique aqui para acompanhar o Patriotas no Instagram.

Compartilhe esta matéria:

Share on facebook
Share on twitter

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O Patriotas é um fã clube oficial no Brasil e reconhecido pelo New England Patriots nos Estados Unidos.

Site desenvolvido pela equipe Patriotas.